LABORATÓRIO DE PRÓTESES E ÓRTESES

          A Fundação Assis Gurgacz do seu Laboratório de Prótese e Ortese, não comercializa apenas prótese e órteses, semeamos esperança, realizamos sonhos, ajudamos nossos pacientes a recomeçar sua vida. Mostrando as pessoas portadoras de alguma deficiência física que é possível ter uma melhor qualidade de vida, conquistando assim sua mobilidade e superando limites.

          Os nossos pacientes são acompanhados individualmente por uma equipe de multiprofissionais durante todo o processo de confecção e adaptação visando atender as necessidades especificas de cada caso.

          Tudo é planejado de acordo com as características individuais do paciente, atendendo suas expectativas e anseios.

          A Fundação Assis Gurgacz, sólida, confiável e reconhecida por profissionais, pacientes e comunidade médica incorporou esses valores em sua rotina. Nosso sucesso e vitória são resultados de um trabalho transparente, ético, que coloca em primeiro lugar a qualidade de vida dos pacientes, buscando com eles percorrer um novo caminho a fim de superar as barreiras impostas pela deficiência física.

          Ser referência nacional, no segmento que atuamos e ajudar um número maior de portadores de deficiência física é nossa meta. nossa esquipe de multiprofissionais disponibiliza para Cascavel e toda Região um laboratório equipado com maquinários de primeira linha para a confecção de Próteses desde modular e convencional até high techs, com sistema de joelho hidráulicos, pneumáticos e computadorizados, sistema harmony, pés em carbono e encaixe de grande conforto para amputações acima do joelho.

  • Próteses Convencionais: São feitas em resina ou com componentes em plástico e madeira. São indicadas para todos os níveis de amputação com exceção da desarticulação de joelho.

  • Próteses Modulares: Também chamada de prótese endoesqueletica com revestimento cosmético em espuma, este sistema foi lançado em 1969, pela OTTO BOCK, sendo desde então constantemente aperfeiçoado, podem ser utilizadas em todos os níveis de amputação de membro inferior, são constituidas por vários módulos ajustáveis e intercambiáveis entre si, mais leves e estétivas por serem revestidas de espuma cosmética, seus componentes podem ser em aço, titâneo (um metal extremamente leve e resistente), alumínio e fibra de carbono. essas próteses oferecem ampla linha de opções para uma protetização eficaz.

  • Sistema de Encaixe: Os encaixes das próteses evoluíram muito nos últimos anos. As resinas substituíram muito nos últimos anos. As resinas substituíram os encaixes de madeira e, mais recentemente, os materiais termoplásticos estão substituindo as resinas.

              ENCAIXE PARA AMPUTAÇÃO ACIMA DO JOELHO
  • Quadrilátero: É o tipo de encaixe mais antigo em utilização no mercado foram desenvolvidos nos Estados Unidos na década de 40, a partir de modelos europeus, onde a pressão maior é exercida no isquio, apoiado no bordo posterior. É feita compressão em áreas funcionais, favorecendo atrofia; a medida médio-lateral é mais larga, ocasionando deslocamento lateral do fêmur; a marcha é feita com inclinação lateral de tronco. Nos pacientes que usam o encaixe pela primeira vez, o apoio isquiático pode se apresentar doloroso, já que a descarga de peso é feita quase totalmente naquela região.

  • Contenção Isquiática: É o tipo de encaixe mais recente utilizado com maior frequência em pacientes jovem e praticam atividade desportiva ou que são bastante dinamicos, Surgiram na década de 80 e apesar de largamente aplicados são bastantes recentes. A distribuição de peso é sobre todo o coto, principalmente sobre o ramal do ísquio. Há maior controle dos músculos funcionais e maior estabilidade da estrutura óssea e da adução natural do fêmur; os músculos funcionais ficam liberados, limitando a atrofia.

      

              ENCAIXE PARA AMPUTAÇÃO ABAIXO DO JOELHO

  • KBM é o encaixe mais utilizado, a prótese com descarga no tendão patelar e sustentação por envolvimento do côndilo tibial medial e inserção de uma cunha podendo ser utilizado também em cotos curtos.

  • PTB a descarga é feita em baixo da rótula mediante uma saliência no encaixe que comprime a região e sobre a qual se projeta parte do peso. O modelo original, da década de 50, era sustentado por uma correia, passando acima do joelho. Atualmente o termo é usado para qualquer prótese com descarga no tendão patelar, independente do modo de sustentação.

  • PTS prótese com descarga no tendão patelar e suspensão por envolvimento dos côndilos (saliências da cabeça do osso) lateral e medial da tíbia e da patela.

  • Suspensão a Vácuo Prótese com sistena de liner sobre o coto, com descarga total e suspensão a vácuo através de uma válvula com sentido único de passagem de ar, altamente confortável e segura, indicada para todos os tipos de pacientes com qualquer nível de atividade e idade.

      

              TIPOS DE JOELHOS
  • Joelhos Modulares: Existem muitas opções de articulações de joelho, desde com trava até com regulador hidráulico.

              TIPOS DE PÉS PROTÉTICOS
  • Pé SACH: Tornozelo rígido e calcanhar estofado, é indicado para todos os tipos de próteses em especial para próteses abaixo do joelho.

  • Pé Dinâmico: O pé dinâmico é indicado para todas as próteses, especialmente abaixo do joelho, a principal diferença do pé dinâmico em relação aos outros pés sem articulação é a sua capacidade de deformação elástica.

  • Pé Articulado: É indicado para todos os tipos de próteses, em especial para desarticulações de joelho, amputações acima do joelho e desarticulação de quadril.

  • Pé Dynamic Pro: É indicado para todas proteses modulares especialmente para pacientes muito ativos, pois possue elasticidade graduada, compressão axial elástica, absorção de irregularidades do solo acúmulo e devolução de energia atravésdo ante-pé.

  • Pé ACTIVE LINE: É indicado para todas as próteses modulares especialmente para pacientes ativos e que praticam esportes, são fabricados de acordo com os dados do paciente de forma individualizada.

  • Pé Greissinger: É indicado para todas as próteses modulares, com exceção de próteses curtas abaixo do joelho, possibilitam movimentos em todas as direções.

  • Pé Multiaxial: Este pé permite movimentos em todas as direções alem de possuir as características do pé dinâmico, possui ótimo amortecimento através do calcanhar elástico e da articulação, rápido contado do ante-pé através da flexão plantar, maior segurança do joelho devido a limitação da flexão dorsal e a elásticidade do ante-pé, gerando um momento de força contrário entre outras.

              Próteses são dispositivos usado para a substituição do membro amputado ou com uma mal formação congênita, a confecção correta de um cartucho, a escolha certa dos componentes e o correto alinhamento, são fundamentais para que se tenha uma boa protetização.


              O INVESTIMENTO EM UMA PRÓTESE
              A próteses não pode ser visto como um produto de comercialização, as comparações de preço pode comprometer uma boa protetização. As próteses variam de preço, isso depende de fatores, como tipos de componentes, modelo de encaixe e a necessidade do paciente do uso da prótese.

              CARTUCHO OU ENCAIXE PROVISÓRIO
              Durante o processo de adptação do paciente, o coto sofrera alterações de volume e maturação, nesse período de fase de adaptação o paciente faz se o uso de um encaixe provisório, depois de uma constatação em que esse coto não sofrera variações de volume, confecciona-se o encaixe definitivo.

              Toda prótese em qualquer nível de amputação deve ter contato total, entre o coto e o encaixe. A falta desse contato pode acarretar certas complicações para o paciente, como complicações vasculares e dermatológicas.

              As causas das amputações pode ser causadas por doenças vasculares, doença neuropática, trauma, infecção, tumor, iatrogênia e mau formação congênita.

              OBJETIVO DA PROTETIZAÇÃO
              Reabilitar o paciente para uma vida normal e integra-lo à sociedade, permitido a sua locomoção através da prótese inserindo um maior grau de função nas suas atividades de vida diária e profissionais recaindo em uma melhor qualidade de vida.

              A EXPECTATIVA DO PACIENTE EM RELAÇÃO À PRÓTESE
              É fundamental procurarmos saber do paciente qual a sua expectativa em relação a prótese pois cada paciente possui uma idéia em relação a utilização da prótese, alguns pacientes querem voltar a trabalhar, outros correr, praticar esportes, e outros mais limitados apenas querem deambular dentro de casa ou ir até a esquina realizar compras básicas ir na padaria, praça, açougue e outros.

              O fisioterapeuta deve medir e registrar os atributos físicos do paciente,com as amplitudes de movimentos ativos e passivos de todas as articulações de membros inferiores, de ambos os membros. Contraturas em flexão do joelho e quadril comprometem o alinhamento e o aspecto protéticos. Uma trava de joelho pode ser necessária num caso de amputação acima do joelho. Contraturas graves impedem a adaptação de componentes convencionais, ou podem contra-indicar a provisão de qualquer prótese. Os efeitos deletéricos das contraturas são especialmente sérios nos casos de amputação bilateral.

              Deve ser avaliada a força muscular, freqüentemente, o paciente geriátrico com doença vascular passa por níveis reduzidos de atividade física, pois a perna doi, e ocorrem ulcerações no pé. Tal indivíduo pode apresentar uma notável debilidade, que pode interferir com o uso da prótese ou pode carecer de uma unidade de travamento no joelho.

              Alterações como a cegueira não impede o uso da prótese, mas cria problemas relacionados à seleção de componentes de fácil colocação, bem como à alteração do programa de treinamento.

              Outras alterações neurológicas, como o acidente vascular encefalico, complicam a colocação da prótese e o treinamento. A hemiplegia ipsolateral não compromete tanto a reabilitação protética quanto a paralisia contralateral. Em ambas as circunstâncias, as próteses devem ser projetadas visando a máxima estabilidade.

              O estado circulatório dos membros (amputado e sadio) requer um exame minucioso. o uso de uma prótese pode beneficiar o membro contralateral com disfunção vascular, ao transferir alguma sobrecarga desse membro.

              A prescrição protética também depende do estado cardiopulmonar do paciente. A equipe clínica deve formular metas realistas baseadas na capacidade físicas do indivíduo, particularmente no que se relaciona à tolerância aos exercícios e à resistência.

              A obesidade é outro fator a ser considerado na avaliação da prescrição. O modelo do soquete para a coxa gorda difere do empregado para uma coxa mais firme amputado acima do joelho.

              Fotos Cedidas por OTTO BOCK
              Vídeos de Pacientes do Laboratório de Próteses e Órteses da FAG

  • Portal FAG





      MENU


    O CURSO

    Sobre o Curso

    Perfil do Profissional

    Corpo Docente

    Grade Curricular

    Horários das Aulas

    Calendários das Provas

    Áreas de Atuação

    Estágios Supervisionados

    Ficha de Frequência para
    Estágios Supervisionados


    Projetos de Extensão

    Monitoria

    Clínicas FAG

    Laboratório de Próteses e Órteses

    Grade para Horário

    Formulário para Matrícula


    CONTATO

    Coord. Ms Leda Paes Walcker
    Tel: 45.3321.3900 - 3945
    leda@fag.edu.br
     
     
     
         
     
     
    Avenida das Torres, 500 - Loteamento FAG - Cascavel/PR - 45.3321.3900
    ©CopyRight - FAG|2008 - Todos os direitos reservados - Resolução Mínima 1024x768